NIPO BELÉM GALERIA GANHADORES DE 2011

Com o fim do segundo concurso artístico Nipo Belém Galeria, o Tatsu Animes acompanhou o concurso passo-a-passo e tivemos a oportunidade de fazer duas grandes entrevistas.

Final de Mahou Sensei Negima!

Mahou Sensei Negima! Chega em sua reta final no Japão, mas aqui no Brasil muita "magias" vai rolar.

Sem Destaque

SEM DESTAQUE

Sem Destaque

SEM DESTAQUE

Sem Destaque

SEM DESTAQUE

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

28 de fev de 2011

[HUMOR] Dança do Street Fight -q

vocês ja ouviram falar sobre essa dança ? kk alguns dizem que é a nova sensação  ;-;




                                             Uma parte da minha infância se foi ;-;

27 de fev de 2011

[OTAKU] O momento perfeito?

Que garota nunca sonhou em protagonizar uma cena digna de qualquer mangá shojo?

Isso é tão normal que as japonesas elegeram os dez momentos mais românticos e irresistíveis dos HQs, apesar de serem um pouquinho clichês, que gostariam de vivenciar de verdade.

Então, deixe a vergonha de lado e acompanhe abaixo o resultado da enquete realizada pelo site Goo:



1. Um abraço pelas costas seguido da frase “Eu te amo!”.

2. Um convite do tipo “Me faz companhia hoje?” dito com certa convicção.

3. Ouvir um carinhoso “Se esforce, tá bom?”, acompanhado de um afago na cabeça.

4. Descobrir que a pessoa para quem você pedia conselhos amorosos, na realidade, estava apaixonado por você.

5. Levar um inesperado beijo no momento em que você se vira para ele.

6. Ser questionada “Está tudo bem?”, sentindo o rosto dele bem pertinho do seu, com um olhar de preocupação.

7. Ele brigando para ter a sua atenção.

8. Ele puxar levemente o seu queixo e te roubar um beijo.

9. Numa despedida, ser puxada para dentro do trem junto por ele no exato instante da partida.

10. Ser consolada num momento de choro, com ele secando as suas lágrimas.

[OTAKU] Dando uma olhada no Japão.

Calculadora Divertida



Que tal ir para a escola e fazer cálculos muitos divertidos com seus animes favoritos? Então eu tenho a solução.


Em março, a empresa japonesa Sharp lançará no mercado japonês uma linha de calculadoras temáticas das séries K-ON!,Evangelion e Shima Kosaku.



Serão seis modelos diferentes, e cada um deles será acompanhado de um chaveiro para celular. Ficou ansioso pela próxima aula de matemática?

Obentou Pokémon


Mas após uma pequena aula de matemática, você concerteza ficara com uma fome "pokemonstica"! "Poke" o que? Sim uma fome Pokémon.



Nada melhor do que um lanchinho bem colorido e bonitinho para fazer as crianças se alimentarem sem reclamar, não é? Pois as donas-de-casa japonesas vão poder contar com a ajuda dePokémon na hora de criar obentôs caprichados para seus filhos.

A editora Shogakukan publicou o Shokuiku Recipe de Tsukuru! Pokémon O-Bentō Book, um livro de receitas de obentôs inspirados nos monstrinhos de bolso para incentivar os hábitos de alimentação saudável entre as crianças.

A publicação segue as indicações nutricionais do Ministério de Saúde e Agricultura do Japão e teve a supervisão de Yukio Hattori, famoso comentarista do programa culinário Iron Chef e presidente do Hattori Nutrition College. O livro traz de brinde uma embalagem para guardar seus lanchinhos e custa cerca de 23 dólares
.

25 de fev de 2011

[10 Curiosidades] - Sobre Dragon Ball!


Olá Leitores )O),como prometido,  hoje irei postar sobre as curiosidades do mundo dos animes. E o anime escolhido dessa semana é... (rufar os tambores) ...
~~Dragon Ball~~  )O). Pupurupu o/ -q
Então leitores você sabiam que:


 1º O saudoso Akira Toriyama (Criador de Dragon Ball) com 12 anos Abandonou os estudos para começar a desenhar, e algum tempo depois foi contratado pela Shueisha, Uma poderosa editora japonesa. 
É ele tinha talento mesmo, só não indico isso para vocês que querem se tornar mangaká -q não larguem os estudos U>U qq

2º  As Mulheres Saiyajins Não podem se transformar em super sayajin, por isso que no Dragon Ball GT a Pan Não se transforma, diferente de Trunks e Goten que ainda novos conseguiam se transformar.
3º O período de incubação de Cell é de 24 anos,  e a Larva levou 4 anos para juntar os nutrientes necessários para o primeiro estágio, então o Cell que Gohan mata tem 28 anos. É pessoal aquele mosquito da dengue tinha 28 anos -qq
4º Contando Todas as vezes que Bulma mudou o seu corte de cabelo, somam juntas 15 tipos de cortes (e isso sem contar o primeiro).
5º O garanhão -q Kuririn teve uma namorada antes da nº18 Seu nome era Maron, como o de sua filha, Exceto que seu nome não tinha dois "r". Safadinho, botou no nome na filha rs.







6º A serie Dragon ball surgiu  depois de um sucesso chamado Dr. Slump, Toriyama ficou fissurado por filmes de kung fu e assistiu um filme pelo menos umas vinte vezes, e nesse filme estrelava Jackie Chan, influenciado por isso, criou Dragon Boy, uma série que foi o primeiro passo  para a criação do universo Dragon Ball. Mais tarde, Toriyama conheceu uma lenda chamada Seyuki. Basicamente, a lenda chinesa conta a história de um macaquinho que mora no céu e se chama Son Goku. Ele possui poderes mágicos e flutua em cima de uma nuvem chamada Kintoun (Nuvem Dourada, no Brasil). Muito bagunceiro, Goku apronta com os Deuses que, para castigá-lo, o mandam para a Terra. Para retornar ao mundo celestial ele precisa fazer boas ações, e uma delas é ajudar o monge Genjo Sanzou em sua jornada pela iluminação celestial.
A história e os personagens da primeira fase de Dragon Ball foram todos baseados nesta lenda. As esferas do dragão foram colocadas no desenho apenas para fazer o novo Goku cumprir uma jornada parecida atrás dos pedidos de Shenron, o dragão "chinês" sagrado.


7º Alguns personagens de Dragon Ball possuem nomes bem diferentes relacionados à comida e algumas outras coisas. Dá para citar vários exemplos como Vegeta que vem da palavra vegetal, Freeza de Freezer, Trunks de calções de banho em inglês e as tropas especiais Ginyu (Leite, em japonês) que têm seus nomes tirados do cardápio do café-da-manhã ocidental.  Mais um criativo com nomes em pessoal xD


8º A magia mais conhecidade de Goku foi inventada pela mulher de Akira. Ele estava aborrecido dizendo: "O nome do ataque especial do Mestre Kame vai ser alguma coisa com Ha". Quando sua mulher disse Kamehameha. A palavra tinha uma sonoridade muito legal e foi logo incorporada ao personagem. Significado da palavra: "Kame" significa tartaruga e "Ha" significa onda, mas a palavra inteira não tem significado algum em japonês. Por outro lado, Kamehameha é um Deus havaiano. Misturando tudo dá até pra entender porque o Mestre Kame vive numa ilha paradisíaca tem um casca de tartaruga nas costas e sempre usa roupas bem floridas.

9º No Japão uma senhora chamada Masako Nozawa faz a voz de Goku e seus filhos Gohan e Goten. As mulheres, por causa da voz mais fina, conseguem imitar vozes de criança com muita facilidade. Masako começou fazendo a voz de Goku na primeira parte da série e quando ele ficou mais velho conseguiu alterar a voz para um personagem diferente. Com os filhos ela fazia a mesma coisa e deixou Akira Toriyama espantado: "Em uma cena em que Goku, Gohan e Goten apareciam juntos, Nozawa Masako conseguiu fazer as três vozes da conversa ao mesmo tempo", disse Toriyama. Aqui no Brasil, Goku também é dublado por uma mulher em Dragon Ball.

10º  O level Super Saiyajin 4 foi apenas criado para consertar o erro cometido por Akira Toryama, a respeito dos Saiyajins? Em meados da série Z, foi afirmado por Vegeta que dizia a lenda que a cada 1000 anos, surgia um Saiyajin com poderes infinitos,ou seja o lendário Super Saiyajin... Acontece que tanto Goku, quanto Vegeta, Trunks, Goten e Brolli também eram Super Saiyajins, por isso, criaram o level SSJ4, onde apenas Goku atingiu de forma natural. é ninguém é perfeito rs




24 de fev de 2011

[ANIME] HAMTARO



Nosso querido amigo hamster e seus amiguinhos estão de volta em mais uma emocionante aventura, vocês ainda se lembram deles? Aqueles pequenos "hamstersinhos" que dava muita vontade de pegar no colo e apertar sem parar. Apesar de não terem feito um grande sucesso aqui – tanto é que apenas a primeira leva de episódios chegou por essas bandas – os pequenos roedores foram um fenômeno no Japão no início dos anos 2000, até mesmo os bixinhos da vida real viraram moda por lá.

A boa notícia é que a partir do dia 02 de abril a TV Tokyo trará a turminha toda de volta no anime Tottoko Hamtaro Dechu. A série irá ao ar nas manhãs do canal em substituição à Gokujo! Mecha Mote, que não foi renovado para mais uma temporada.

A série original teve 296 episódios (dos quais apenas 104 foram adaptados nos EUA) e foi produzida pela ShoPro, tendo como base o mangá original criado por Ritsuko Kawai)


Fome?

Coma um sushi! se tiver coragem.

[JOGUINHO] UNICÓRNIOS TAMBÉM SOU MACHO!

Para quem acha que unicórnios são sem graça:


Mas você acha que é só isso, errado....

Estou preparando uma pequena lojinha de dvds aqui no site, então estou conseguindo coisas, como posso dizer raras. O primeiro item do stock será provavelmente um show.

Também terá uma postagem sobre Ao no Exorcist.

E mais algumas postagens sobre filmes, em breve anunciarei um pequeno evento. Aguardem.

A coluna filmes ira ser revivida.

Por enquanto é só... continuem acompanhando o nosso blog que em breve terá mais.

EM BREVE POSTAGEM ESPECIAL DO MÊS; HAMAMATSU NOSSA CIDADE NO JAPÃO.

23 de fev de 2011

[J- Cult] Curiosidades sobre o Bonzai

A arte do Bonsai

http://www.japaoemfoco.com/wp-content/uploads/2010/06/bonsai1.jpg

O que é um bonsai?
A palavra bonsai é vinda do japonês, e significa “árvore em bandeja”. De outra forma, podemos dizer que é uma árvore ou arbusto, com dimensões reduzidas, plantado em um vaso de pequena profundidade. Basicamente, o bonsai é uma réplica artística de uma árvore natural em miniatura, representando a arte viva da união de arte, agrotécnicas e tempo.
Origem:
Ao contrário do que muitos imaginam, há fortes indícios de que a arte do bonsai se iniciou na China, e não no Japão, onde a técnica foi mais difundida.
Definição:
inicialmente, não há qualquer regra relacionada à produção de bonsais, mas com o surgimento de concursos, vendas e leilões, várias classificações surgiram. Mas para alguém que cultiva de forma amadora, essas classificações pouco importam. Mas apresentaremos alguns dos estilos definidos.
Difundimento:
O cultivo de bonsais se tornou um hobby não só no Oriente, nos últimos 20 anos, a técnica ocupou o mundo todo. O cultivo comercial hoje gera muita receita em todo o mundo, sendo que os bonsais mais antigos e bem moldados chegam a altíssimos valores no mercado. Esse interesse pelo cultivo e comércio do bonsai vem crescendo junto a outras artes orientais que vem sendo muito valorizadas nos últimos anos.
Estilos:
Com o difundimento da técnica, foram dividios alguns estilos básicos de bonsai.Existem bonsais de diversos tamanhos, dentre eles, estão os:
bonsai
- menores de 15cm: chamados de mame.
- de 15 a 30cm: considerados pequenos.
- de 30 a 60cm: considerados médios.
- acima de 60cm: considerados grandes.

Há na natureza várias formas que caracterizam cada árvore. Essas formas são imitadas no bonsai, para reproduzir as formas naturais.



Dentre esses estilos estão:
Chokan: Estilo ereto formal. Árvore com tronco reto, que vai diminuindo de espessura gradualmente, da base ao ápice. Os ramos devem ser simétricos e bem balanceados.
Moyogi: Estilo ereto informal. Tronco sinuoso, inclinando-se em mais de uma direção à medida que progride para o ápice. A árvore deve dar a impressão de um movimento gracioso.
Shakan: Estilo inclinado. Tronco reto ou ligeiramente sinuoso, inclinando-se predominantemente em uma direção.
Kengai: Estilo cascata. A árvore se dirige para fora da lateral do vaso e então se movimenta para baixo, na direção da base do vaso, ultrapassando a borda do mesmo. Os vasos nesse estilo são estreitos e profundos.
Han-kengai: Estilo semi-cascata. Semelhante ao anterior, com a árvore se dirigindo para fora da lateral do vaso, mas não segue para a base do vaso.
Fukinagashi: Varrido pelo vento. Árvore com ramo e tronco inclinados como que moldados pela força do vento.
http://www.japaoemfoco.com/wp-content/uploads/2010/06/bonsai.jpg
Na realidade, quase todas as árvores e arbustos podem ser usadas para se fazer um bonsai. Mas as melhores candidatas são aquelas árvores ou arbustos que possuem pequenas folhas e pequenos galhos, sendo naturalmente densas e compactas. Essas características ajudam a criar uma melhor ilusão de escala, tornando a planta mais proporcional. O formato do tronco e galhos do bonsai pode ser modelado através da aramação (colocação de arames). Os arames são colocados e mantidos por um ano ou mais, ou até que os galhos já tenham se estabilizado no formato.
http://www.japaoemfoco.com/wp-content/uploads/2010/06/bonsaii-300x281.jpg
Dicas:
Para iniciarmos os tratos em um bonsai verdadeiro, isso pode levar anos. Para que a pessoa possa treinar esses tratos, podemos utilizar plantas de rápido crescimento, como suculentas, em vasos grandes, podando-as e modelando-as com arames. Apesar de podermos plantar nosso bonsai começando pelas sementes, que podem ser coletadas ou compradas, o meio mais comum e recomendável para se fazer um bonsai é através da compra de uma muda em um viveiro confiável.
Como escolher a muda?
Escolha uma muda de tamanho em torno de 15 a 20 cm de atura, com tronco forte e relativamente espesso, verificando sempre a ausência de doenças e ferimentos no tronco da planta. A espécie e muda a ser utilizada deve ser escolhida de acordo com o tipo e forma do bonsai que você deseja fazer.

Exemplos de bonsai:
Algumas boas espécies para bonsai são: Pinheiro-japonês, mini-romã, cerejeira, jabuticaba, Jequitibá, pitanga e azaléa como o bonsai da foto logo abaixo.
http://www.japaoemfoco.com/wp-content/uploads/2010/06/AzaleaBonsai.jpg

22 de fev de 2011

[J - MUSIC] Visual Kei

Esse nome é muito popular no cenario Otaku, segundo o wikipedia:
Visual kei (em japonês: ヴィジュアル系 visual kei/bijuaru kei, "linhagem visual" ou "estilo visual"), ou visual j-rock, é um movimento musical que surgiu no Japão na década de 1980.
Consiste na mistura de diversas vertentes musicais como rock, metal e, muitas vezes, uso de instrumentos relacionados à música clássica, tais como violino, violoncelo, orgão, cravo e piano (exemplo de bandas que utilizam esta influência seriam MALICE MIZER, Moi dix Mois, Sito Magus e Versailles). Uma das peculiaridades desse movimento é a ênfase na aparência de seus artistas, muitas vezes extravagante, outras vezes mais leve, mas quase sempre misturada com a androginia, e shows chamativos. No visual kei a música anda sempre ao lado da imagem e vice-versa.
Algumas bandas consideradas pioneiras do visual kei são, X JAPAN,D, D’ERLANGER, NIGHTMARE , DEAD END, BUCK-TICK, Kamaitachi e COLOR. O movimento teve seu auge em meados da década de 1990, quando bandas como BUCK-TICK, X JAPAN, LUNA SEA, Kuroyume, MALICE MIZER, SHAZNA e outras conquistaram o público e o mercado japonês.

Depois dessa pequena introdução que disse quase tudo, vamos simplificar:

The Gazette

O Visual Kei, tinha a finalidade de transmitir ao público que as pessoas deviam dar mais importância a habilidades inatas e recursos do coração e mente para entreter a si mesmos e aos outros, já que pensam que a dependência da TV, computadores, aparelhos de comunicação, e de uma coleção de dispositivos de entretenimento, fez com que o ser humano perdesse o contacto com suas habilidades e com o alcançar o coração dos outros através da expressão artística.

Cada membro expressa seus sentimentos, compostos pela música através de cabelos pintados e penteados de forma extravagante, roupas,acessórios, encenações trágicas/dramáticas, recorrendo muitas vezes ao simbolismo para ter uma idéia do que eles queriam representar. Sendo assim, tudo é pensado cuidadosamente antes de lançarem um álbum. Algumas bandas criam histórias e os membros representam personagens."

No ocidente teve um empacto bem interessante, pois fãs ocidental do visual kei compõem-se principalmente por não-descendentes de povos asiáticos. A despeito do consumo de música asiática por parte de descendentes que vivem no Ocidente, o visual kei e o j-rock (rock japonês) começaram a conquistar fãs ocidentais com grande quantidade e freqüência entre o final da década de 1990 e o início da de 2000, divulgados de fãs para fãs pela Internet e pessoalmente ou mesmo com uma promoção profissional realizada através de trilhas sonoras de desenhos animados produzidos no Japão. A maioria dos artistas japoneses de rock apreciados no Ocidente são visuais e não possuem envolvimento com animações.

No Brasil:


No Brasil, existem vários fãs de visual kei que, além do visual rock, se interessam também por outras formas de rock japonês. Em 2006, o evento J's Fest II (Japan Song Fest II) atraiu 1.500 visitantes ao Circo Voador, no Rio de Janeiro, que prestigiaram, entre outras atrações, bandas nacionais inspiradas por artistas do visual kei e do j-rock. Diversos eventos de natureza semelhante ocorrem em diversas regiões do país freqüentemente.

Charlotte 

Hime Ichigo

O primeiro show de visual kei do Brasil foi anunciado com as bandas Charlotte e Hime Ichigo, em um evento chamado J-Rock Rio. Porém, o festival foi cancelado por problemas de organização que incluíam o desconhecimento da existência do evento por parte da casa anunciada como local para os shows, o Scala Rio. Até mesmo as bandas que viriam para se apresentar não foram avisadas do cancelamento do J-Rock Rio. Algumas semanas depois, a Yamato Comunicações e Eventos anunciou uma parceria com o site JaME Brasil (Jmusic America - Brasil) para produzir um show do Charlotte em São Paulo e outro no Rio de Janeiro, ambos em novembro de 2007. Segundo números divulgados na comunidade "J-Rock ~ Visual Kei", no Orkut, por David Denis (membro da equipe da Yamato), compareceram no show de São Paulo cerca de 1100 pessoas e, no show do Rio de Janeiro, cerca de 600 pessoas.



Em maio de 2008, Miyavi realizou seus primeiros shows no Brasil, como parte de sua turnê mundial "THIS IZ THE JAPANESE KABUKI ROCK TOUR 2008". Inicialmente ocorreria apenas uma apresentação no dia 24/05 em São Paulo. Com o esgotamento de todos os 1400 ingressos disponíveis apenas dois dias depois do início das vendas, um segundo show foi marcado no dia 23/05 e também veio para cá em 13 de outubro de 2009(cujas exigencia estapafurdias com não tirar fotos de seu rosto,chamaram a atenção) . O evento—mais uma vez fruto de uma parceria entre Yamato e JaME—foi coberto por grandes veículos da mídia nacional como os canais de televisão Globo, Record e MTV Brasil e o jornal O Estado de São Paulo.

Preconceito:


Muitas destas bandas citadas na introdução do assunto, foram marcantes para o mercado da musica japonesa, foi quase uma revolução que se expandiu cada vez mais alcançando patamares inimagináveis. Mas não pensei que Visual Kei é uma mar de rosa ou campos floridos, o preconceito sempre se encarregou de dar uma puxada de orelha em muitas pessoas.


O preconceito no brasil ainda se mostra enorme sobre esta manifestação cultural, já que ao contrario de muitos tribos de jovens, já que os Visuais Kei chamam realmente a atenção com seu visual que mistura varios estilos (Glam metal, Glam punk, Heavy metal, Punk rock, Pós-punk, Rock gótico, Death rock, Rock alternativo, Hard rock e Japanese rock. Esses são só alguns estilos...).

Olhando por outro lado, dou até uma certa razão para o espanto das pessoas, já que no brasil esse estilo ainda esta criando raízes mais fortes, se esse movimento continuar com essa motriz, em breve poderemos ter uma reação mais amenas das pessoas, já que acho muito difícil de que esse visual super chamativo seja ignorado.

Lembre-se: 
Uma das Maiores virtudes do ser humano e poder viver livre mesmo preso em uma sociedade.
(Fui poético nessa citação, será que eu vi em algum lugar e meu subenconciente absorveu)

Estilos:


ANGURA KEI:

O termo vem de “undergroud kei”. São bandas com alta influência da própria cultura japonesa, principalmente tradicional (ás vezes arcaica), e que costumam adotar visuais mais simples, geralmente com uma roupa típica japonesa, seja um quimono ou um uniforme escolar, e uma maquiagem preta e branca. O objetivo das bandas Angura Kei é criar algo o mais japonês possível, com o mínimo de influência estrangeira. Tem sua origem no movimento cultural dos anos 60, o “Angura”.
Exemplo de banda “angura kei”, Onmyoza.

Onmyouza

INUGAMI CIRCUS DAN (Achei eles na net!)


KOTEIKEI

Gênero interpretado e tido como um dos mais proeminentes, ao menos na década de 1990. Pensa-se que o nome foi dado como antônimo de "soft visual kei".

SOFT VISUAL KEI

Conforme o nome, são bandas que utilizam como fundamento roupas pouco chamativas e maquiagem leve (por exemplo, apenas base). É o estilo de visual que possui o maior número de fãs homens. Surgiram com força no final da década de 1990, com diversas bandas atuando como major ou próximos disso, ao contrário do kotevi kei, que ganhava destaque na cena indie, na época. Alguns exemplos de bandas de soft visual kei são GLAY, SIAM SHADE, SOPHIA, Janne Da Arc e Sid (ao menos, no início de suas respectivas carreiras). O estilo teria entrado em "vias de extinção", juntamente com o kotevi kei, no início do novo século.

 Janne Da Arc
Siam Shade (Sou fã. ^^v)

KOTEVI KEI

O kotevi kei tem tendência a dar mais ênfase à presença de palco do que a performance musical em si, sendo caracterizado pelo uso de roupas esplendorosas e vistosas. As bandas atuam predominantemente na cena indie (independente), com poucos grupos atuando como major. A primeira fase de Dir en grey é um exemplo de kotevi kei que chegou a atuar como major. Kotevi kei também é freqüentemente chamado de "kote kei". Embora seja comumente tratado como o contrário do soft visual kei, ambos os estilos têm origem na cidade de Osaka e fizeram sucesso em épocas próximas, tendo, portanto, diversas semelhanças.

Dir en grey

Dentro do kotevi kei podemos distinguir ainda o "kuro kei (grupo preto)" e o "shiro kei (grupo branco)". O kuro kei é caracterizado pelo seu som pesado e obscuro e por suas composições mais rápidas, enquanto que o "shiro kei" é voltado para um som melodioso e composições "limpas". A banda responsável pela criação do shiro kei seria L'Arc~en~Ciel, que, no começo de sua carreira, costumava se apresentar com a cor branca em destaque em suas roupas. Além disso, L'Arc~en~Ciel tocava músicas com características dos sons visual kei, mas não tão pesadas e agressivas quanto os trabalhos de alguns de seus contemporâneos do mesmo movimento.
Hyde e suas mudanças. L'Arc~en~Ciel.


Hyde? L'Arc~en~Ciel.



ELEGANT GOTHIC LOLITA / ELEGANT GOTHIC ARISTOCRAT:

Estilo descendente do gótico, no qual o visual e as músicas têm bastante elegância e “glamour”. No EGL, as roupas e maquiagem têm uma aparência infantil, enquanto no EGA os elementos infantis são deixados de lado. Geralmente aparatos de influência Vitoriana.
Exemplo de banda “EGL/EGA”, Malice Mizer.

Malice Mizer.

Mana-sama:

É considerado entre os admiradores do estilo Lolita, um deus, Mana foi quem popularizou no Japão tal estilo. Já foi guitarrista de bandas como Eliphas Levi, da popular Malice Mizer, mas atualmente é membro de seu projeto solo, a Moi Dix Mois.

 (Lembrando: É um homem)


Dono da maior grife japonesa do gênero, a Moi-même-Moitié, ele criou duas coleções a Elegant Gothic Lolita e o Elegant Gothic Aristocrat que hoje são referências do estilo na Europa, e considerada por muitos subgêneros do "Lolita". Gostaria apenas de expressar que ele não criou apenas 2 coleções, mas que essas foram e são as mais populares, com compradores de todos os lugares do mundo.


EROGURO KEI:

A palavra “eroguro” é a contração adaptada para o japonês do inglês “erotic and grotesque” (erótico e grotesco). No EK a maquiagem é feita para deixar o músico com aparência mais feia, ás vezes mais agressiva, e as roupas podem ser tanto trajes comuns, como camiseta ou terno, quanto algo um pouco mais elaborado, mas com discrição bem maior do que nos estilos Elegant Gothic e Kotekote, por exemplo. O estilo é originado do movimento cultural “Eroguro Nonsense”, surgido no Japão no início do século XX.
Exemplo de banda “eroguro kei”, MUCC.

 DEATHGAZE

cali≠gari

MUCC


KUROFUKU KEI:

Segundo o nome, é um estilo cuja base é formada pelas roupas com elementos pretos. Refere-se a bandas do final da década de 1980 e da primeira metade da década de 1990, que possuíam um estilo mais obscuro, com possível referência ao gótico. Não é comum usar o termo "kurofuku kei" para se referir às bandas que utilizavam roupas compostas por esmalte.
Diz-se que Youka é a banda precursora deste movimento. Também se encaixam neste estilo BUCK-TICK,LUNA SEA, ZI:KILL, Kuroyume e BY-SEXUAL (ao menos, no início de suas respectivas carreiras).
Há diversas bandas que tentaram seguir o kurofuku kei. Ao se comparar com o kotevi kei, a maquiagem é pouca, e é comum usar maquiagens que dêem uma imagem mais obscura.

BY-SEXUAL

Luna Sea

KOTEKOTE KEI:

O estilo mais tradicional do Visual Kei. Bem andrógino, obscuro e, geralmente, com um som bem peculiar.
Exemplo de banda “kotekote kei”, Dué le quartz.


Dué le quartz

OSHARE KEI:

Estilo de bandas com visual mais colorido, de aspecto infantil. (Lembrando que restar não é infantil, mas é gay.) O som também pode ser mais leve e “feliz”, mas não necessariamente, pois algumas bandas do estilo também criam músicas mais pesadas.
Exemplo de banda “oshare kei”, Antique Cafe (Ancafe).


KOTEOSA KEI

Tornando-se popular a partir de 2005, é percebido com um estilo para o qual o oshare kei teria "evoluído". Tanto pela aparência quanto pela música, pode-se pensar que é resultante da fusão de oshare e kotevi kei. Exemplo de uma banda é LM.C

LM.C


IRYOU KEI

Nome dado às bandas que chegaram a usar aparência que remete a uma atmosfera médica, como roupas de hospital, gazes ou curativos de olhos. Pode-se citar como exemplos PIERROT, MALICE MIZER e La'Mule. Até mesmo no cinema e na literatura há casos de obras que usaram cenários escuros como os que existem nos hospitais, e estas bandas chegaram a utilizar tais elementos para representar sua música nesta atmosfera. As composições seriam obscuras e remeteriam a locais sombrios e úmidos.

La'Mule

NAGOYA KEI

Um dos termos genéricos usados para designar as bandas de visual kei cujas atividades se concentram nos arredores de uma determinada cidade ou região japonesas, no caso, Nagoya. O exemplo mais representativo do nagoya kei é Kuroyume. Essas bandas ganharam força por volta de 1990 e prosperaram no cenário de gravadoras independentes. Também houve diversas bandas que atuaram no cenário das grandes gravadoras, mas como a popularidade do visual kei começava a diminuir rapidamente, também houve diversas bandas que duraram pouco tempo. Também há bandas que continuaram atuando mesmo após a queda da popularidade do visual rock, tais como ROUAGE, Laputa e FANATIC◇CRISIS.



Como ser um Visual Key: (Fonte: Alternative adaptada e traduzida)


Passos para conseguires ter Visual Kei:




De uma olhada no vídeo para ver se algum estilo lhe chama à atenção.

1. Observa bem o Visual Kei olhando para membros de bandas Visual Kei (AVISO: Tokio Hotel e Cinema Bizarre NÃO são Visual Key), revistas japonesas, etc. Algumas boas revistas para comprares são Shoxx, Cure, Kera e Bíblia Gothic & Lolita. Podes encontra-las em livrarias ou tabacarias que vendam revistas internacionais ou então em lojas de Mangá.

 SHOXX

2. Usar eyeliner – é um elemento muito importante no Visual Kei mas não é obrigatório. Eyeliner normalmente é aplicado na pálpebra de cima e se desejar na pálpebra de baixo.


Achei na net:



Espero que ajude!

3. Corta a tua franja longa (abaixo da sobrancelha) e tenta cortá-la com um modo não natural. Podes ainda cortá-la de uma forma estranha ou com um bico no meio. Pintar o cabelo de cores diferentes é aconselhável. Waka da banda Danger Gang é uma boa referência porque tem um estilo variado. Mana-sama é o Deus do Visual Kei, podes tirar ideias para o teu look. Várias roupas dele podem ser compradas do site : http://www.cdjapan.co.jp/jpop/essentials/mmm/ . Comprar roupa no eBay também é uma boa opção.

Waka

4. Veste roupa apropriada. O típico estilo “goth” americano não vai servir se estás mesmo séria acerca disto. Tenta misturar punk e goth numa só. Visual Kei é um estilo “abarrotado” e “cheio”, por isso todos os sensos de moda estão incorporados. Visual Kei tem uma abundância de cor. Por isso usa cores! Não te limites a ti própria a preto. Alguns padrões populares para o Visual Kei são padrões animais (leopardo, zebra, …) e flores.



5. Existem muitos sub-estilos derivados do Visual Kei: Gothic Lolita, Gothic Aristocrata, Punk/Rock híbrido, etc. Experimenta todos estes estilos e descobre qual combina mais contigo. Ou podes ter um estilo variado, incorporando estes sub-estilos no teu estilo diário;






o Lembre-se de não e preciso gastar todo o seu dinheiro com roupas importadas do Japão. Existe um monte de coisas que podem ser encontrar por aí que ficam ótimas com Visual Kei. Lojas com roupas de segunda mão são excelentes para encontrar uma variedade de roupa para misturar e combinar.

Sugestões:

· Mantêm o teu próprio estilo, não te limites a copiar o estilo de um membro de uma banda porque isso iria transformar-te num cosplayer. Não há mal nenhum em fazer Cosplay mas não é essa a tua intenção;

· Tem que ouvir bandas Visual Kei como: Malice Mizer, Lareine, Alice Nine, The GazettE, Nightmare, Vidoll, Phantasmagoria, Moi dix Mois, X Japan, Due le Quartz, Hizaki Grace Project, Versailles, Danger Gang, Antic Café, Dir en Grey, etc.

Avisos:

· Visual Kei tem muitos estilos diferentes incorporados – tais como Angura Style, Decora Style, Gothic Lolita Style, etc. Pesquisa na Internet ou escreve “VISUAL KEY”

· Tente manter-se no máximo dentro do estilo que você segue, visual kei é uma mistura, mas misturar demais pode ficar feio.

· Lembre-se de pedir conselhos para aguem mais experiente no assunto, e ignore o máximo possível as criticas de pessoas que não entende nada sobre VK, pois VK ainda não é muito bem visto aqui no Brasil.

Coisas que irás precisar:

· Dinheiro (o suficiente para comprar algumas revistas e os itens básicos de roupa);
· Revistas ou informação retirada da Internet para conhecer melhor o estilo;
· Itens básicos de roupa para criar uma base de vestuário
· Individualidade;
· Criatividade e Originalidade;


Para encerrar uma pequena curiosidade:

Grafias de nomes de bandas e trabalhos do visual kei

No geral, os japoneses freqüentemente trabalham a estética das palavras escritas com algarismos romanos, por eles chamados de "romaji". Diferente da cultura Ocidental, na qual nomes próprios normalmente são escritos apenas com a primeira letra maiúscula e as seguintes minúsculas, na cultura japonesa há nomes gravados de diversas formas diferentes. No mercado fonográfico do Japão—o que inclui artistas visuais, logicamente—encontram-se nomes de bandas e artistas gravados oficialmente apenas com letras maiúsculas (ex. BUCK-TICK, PIERROT), apenas com minúsculas (ex. hide, deadman), com misturas de maiúsculas e minúsculas (ex. KuRt, HIZAKI grace project), com apóstrofos (ex. La'Mule, La'cryma Christi), tios (L'Arc~en~Ciel, Fine~A’rts), pontos finais (LAB. THE BASEMENT,alice nine., ANNY’s LTD.), vírgula (Kagrra,), dois pontos (ZI:KILL, DAS:VASSER), os mais diversos sinais gráficos (cali≠gari, Lυτёη∀), tradução de ideograma com letra trocada (雅-miyavi- – os japoneses pronunciam "miyabi" de qualquer modo, pois trocam o "v" pelo "b" na hora de falar), etc.

Há casos com diferentes romanizações oficiais adotas por alguns artistas. Por exemplo, os trabalhos da banda Dir en grey, que romaniza com todas as letras maiúsculas todos os títulos de discos, músicas e etc. que originalmente são escritos com ideogramas. Outro exemplo de mudança de grafia quando há romanização é o nome do músico Miyavi, que em textos em inglês escreve-o com a primeira letra maiúscula, em vez de apenas retirar o ideograma e usar a primeira letra minúscula, como na grafia original usada durante vários anos a partir de 2002.


Comentário Final:
Espero que tenham gostado, e desculpe o texto enorme, mas Visual Kei é um estilo muito abrangente. Eu dei uma lida e não identifiquei erros musicais, mas se existir algum, por favor me avise, passei horas pesquisandos bandas etc.
Seu comentário é essencialmente importante para o nosso trabalho.